31/05/2013 16h27

Classe política lamenta tragédia na Fazenda Buriti

Ministro determina rigor em apuração sobre a morte de indígena

 

 

 


532
 
 

 

Deurico/Arquivo CapitalNews

   
 
 

 

 
 

A classe política de Mato Grosso do Sul lamentou o incidente envolvendo indígenas e policiais federais e militares na Fazenda Buriti, na tarde desta quinta-feira, em Sidrolândia, que resultou na morte do indígena Oziel Gabriel, de 35 anos, atingido por um tiro no tórax durante o confronto. Na semana passada a bancada federal e deputados de MS estiveram em Brasília em reunião com ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e haviam alertado sobre a gravidade da situação.

Por meio das redes sociais, o senador Delcídio do Amaral (PT) disse que a omissão e a leniência fizeram com que uma tragédia anunciada se concretizasse. “Não foi por falta de aviso. As etnias indígenas e os produtores rurais são as maiores vítimas. Soluções existem. Falta vontade política”, disse o parlamentar.

Para o deputado federal Vander Loubet (PT), as autoridades precisam apurar as responsabilidades pela tragédia. “O trabalho da Polícia Federal tem que ser apurado como bem disse o Ministro da Justiça. Índios e fazendeiros têm suas razões. Cada um está defendendo aquilo em que acredita. Mas nada justifica um morto e muitos feridos”, lamentou.

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, afirmou que tanto os indígenas quanto os policiais são vítimas do descaso. “É muito lamentável o que ocorreu em Sidrolândia. Inocentes sendo levados a um confronto que causou feridas, dor e morte. Os índios, proprietários e também os policiais são vítimas. Vítimas da demora na tomada de definitiva solução para esses conflitos. Ora, se a terra foi identificada como terra indígena, os proprietários devem ser indenizados por elas e pelas suas benfeitorias”, garantiu.

Logo após ser informado sobre o conflito, o governador André Puccinelli ligou para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, para solicitar ação do Governo Federal no sentido de aliviar a tensão e evitar novos conflitos, considerando que a questão fundiária e dos interesses dos indígenas é responsabilidade da União.

Porém, não conseguiu falar com o Ministro da Justiça. André Puccinelli falou com o general Roberto Sebastião Peternelli Junior que está substituindo o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, José Elito Carvalho Siqueira, e pediu intervenção imediata do governo Federal para que a situação seja resolvida.

Mais tarde, em entrevista à Agência Brasil, o Ministro da Justiça determinou que a Polícia Federal apure, "com rigor", se houve abuso policial durante a desocupação de uma fazenda localizada em Sidrolândia. "Vamos apurar com muito rigor o que houve. Se houve abuso, todos os responsáveis serão punidos", disse o ministro, informando que a PF já instaurou inquérito para apurar os fatos.

Cardozo acrescentou que já pediu relatórios detalhados à Polícia Federal e à Fundação Nacional do Índio (Funai), cujos representantes acompanhavam a operação. "É impossível dizer, neste momento, quem atirou nos índios. Já determinamos que os fatos sejam apurados", comentou. Por meio de nota oficial, o Governo do Estado afirma que toda a ação executada na Fazenda Buriti seguiu determinação da Justiça para apoio à Polícia Federal, e que a ação da CIGCOE seguiu os procedimentos de garantir a ordem, preservando a vida.

Entenda o caso

A fazenda foi ocupada pelos terenas em 15 de maio, em poucas horas uma decisão liminar foi emitida para que os índios deixassem o local. Mas a reintegração não foi cumprida no dia 18 e a decisão acabou suspensa até quarta-feira (29), quando foi realizada audiência na Justiça Federal. Sem acordo entre as partes, o juiz substituto Ronaldo José da Silva determinou o cumprimento da reintegração de posse, que foi realizada ontem

Os indígenas da aldeia Buriti reivindicam uma área de 15,2 mil hectares, na região de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti, no sul do Estado. A área atual da terra indígena é de dois mil hectares, onde vivem 4,5 mil pessoas, em nove aldeias. A área reivindicada já foi considerada por perícia judicial antropológica e histórico-arqueológica como terra de ocupação tradicional indígena, porém uma decisão judicial impede a demarcação das terras.

 


Média: Classe política lamenta tragédia na Fazenda Buriti     0,0 estrelas      
Vote nesta matéria


Leia mais notícias de Geral

Imprimir
Comentários
Entre em contato
Envie para um amigo
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Orkut
Compartilhar no Twitter

0 Comentários

publicidade
  • Thiago Olegario81
  • Laudo Sorrilha163
  • a_edio resende190
  • Paroquial7
  • a_cMusseu cachaca319
  • Robertinho12
  • Ziemann107
  • Nelson Dias256

colunas

Conta Gotas

Bastidores da politica em Maracaju

Hosana de Lourdes



Blog do Clóvis de Oliveira

Xiitas, quase em extinção, ainda boicotam ato peti

Clóvis de Oliveira



Maracaju tudodebom

Identificação do eleitor não funciona como teste

Hosana de Lourdes



mais colunas »